logo-helbor-branco

Conquistas

Uma temporada de Glórias

campeao paulista 2016

A temporada 2016/2017 do Mogi das Cruzes/Helbor começou com contratações de peso. A grande mudança já apareceu no comando do time, com o anúncio do técnico Jorge Guerra, mais conhecido como Guerrinha. O treinador havia saído do Bauru no meio da temporada anterior e estava sem clube. Guerrinha era um pedido antigo da torcida e, depois dele, chegou para compor o elenco o pivô Caio Torres, ex-Paulistano. Além dele, o ala Fabricio Russo e o jovem pivô Jonathan Müller vieram reforçar o grupo que já vinha em uma boa sintonia.

Com um elenco “pesado”, as conquistas logo apareceram. Em dois campeonatos, dois títulos: um do Campeonato Paulista e outro inédito, o da Liga Sul-Americana de Basquete. No Paulista, o Mogi das Cruzes/Helbor fechou com apenas três derrotas e uma série de playoff espetacular. Em todas as rodadas decisivas, o grupo conquistou um glorioso 2 a 0 nas séries melhor de três. O título veio sobre seu arquirrival, Bauru. Já na Sul-Americana, o Mogi das Cruzes/Helbor saiu com 100% de aproveitamento. Não perdeu nenhuma das nove partidas e, na série final contra o argentino Bahia Basket, que seria melhor de cinco jogos, o time do técnico Guerrinha encerrou antes, com um 3 a 0 bastante acirrado e placares apertados.

Além dos dois títulos em pouco mais de três meses de trabalho, o time segue com uma campanha brilhante não só na temporada, mas no ‘Gigante Caldeirão’ Hugo Ramos. O ‘Hugão’ vem mostrando toda a sua força ao grupo, que segue há 15 jogos sem perder em casa, sendo nove partidas na fase regular do Campeonato Paulista e três nos playoffs, um jogo no NBB (Novo Basquete Brasil) e mais dois na Sul-Americana. Agora o time trabalhando intensamente para o NBB.

Conquistas do basquete mogiano

O basquete de Mogi das Cruzes começou a brilhar em 1996, quando conquistou o Campeonato Paulista. A final ficou marcada porque o adversário batido foi a tradicional equipe de Franca. Esse foi o pontapé inicial para que a cidade se destacasse no esporte, ganhando reconhecimento nacional. Entre 1996 e 2004, contando com apoio de grandes patrocínios, a cidade figurou como uma das maiores potências do basquete no país.

No ano seguinte ao primeiro título paulista, a cidade já se destaca no Campeonato Brasileiro Basquete. Em 1997 o time mogiano chega às semi-finais do campeonato nacional, sua melhor colocação na história.

Depois de 1996, o basquete de Mogi das Cruzes esteve presente nas principais disputas de nível estadual e nacional. No Campeonato Paulista, a cidade chegou a mais duas decisões, além da que se sagrou campeã. Em 1998 o time foi vencido pela Universidade Mackenzie, da cidade de São Paulo. O último grande resultado acontece em 2003. Mais uma vez a equipe é derrotada na final pelo fortíssimo Ribeirão Preto, time que vinha de dois títulos paulistas consecutivos e era comandado pelo ex-técnico da seleção brasileira Lula Pereira.

No Campeonato Brasileiro, além de 1997, Mogi das Cruzes chegou a mais duas semifinais, em 1999 e 2004.

Depois de 2004, o representativo basquete mogiano não disputou mais as grandes competições do país. Saiu do cenário e por sete anos deixou saudades. Mas agora a Prefeitura de Mogi das Cruzes juntamente com o Grêmio Mogiano, comandada pelo ex-técnico Nilo Guimarães (atual secretário de esportes), fechou novos patrocínios e o esporte está de volta à cidade. Como já era esperado, a torcida novamente abraçou o basquete. No primeiro campeonato disputado pelo novo time, o Ginásio Municipal Hugo Ramos, marca registrada da cidade, voltou a ficar cheio de vibração e esperança.